AceleraBlog

Achei um investidor! E agora?

Posted by Flavio Picchi on May 12, 2014 8:31:51 AM

Então, você e seus sócios deram um duro danado virando noites programando, rearranjando post-its no canvas, discutindo estratégias de marketing e user experience. Fizeram de uma boa ideia um protótipo, e daí treinaram muito aquele pitch que deu um baita trabalho no Powerpoint ou no Keynote. Eis que então – SURPRESA! – um investidor que assistiu à apresentação gostou de tudo aquilo e tem interesse em investir na sua startup.

Já há um bom tempo assessorando startups em operações de investimento, estou acostumado com a cara de desespero de alguns empreendedores nessas horas. Pior ainda, e mais triste, foi ver ou ouvir as histórias daqueles que, por falta de preparação, deixaram de receber aquele capital que poderia fazer da sua startup o novo Google. Bom, eu não vou usar a velha frase “procure um advogado”, porque isso simplesmente não resolve o problema. Antes disso é necessário que o empreendedor saiba, ao menos por cima, como é que se estruturam essas operações. Este post vai ser um pouco longo, mas espero que ele valha a leitura e traga um pouco mais de clareza quanto ao funcionamento dessas operações.

Tanto nos EUA quanto aqui no Brasil, a forma que vem se tornando cada vez mais comum é o empréstimo conversível (em inglês, convertible note ou convertible debt), especialmente em razão da dificuldade de se chegar num valuation justo na fase pré-operacional ou inicial da startup. Do que se trata? Bom, é uma mistura de dívida com investimento de capital. Significa que o seu investidor vai emprestar certa quantia para a startup e que, ao final do período desse contrato, existem duas opções: pagar o empréstimo ou converter o valor em capital da empresa. Apesar de parecer um esquema relativamente simples, existem muitos pontos de atenção e detalhes que precisam ser analisados com atenção e cautela.

Por exemplo: a ideia de receber capital de um investidor anjo é ter um volume de recursos que banque o giro das operações da startup até que o negócio esteja bem estruturado a ponto de receber uma nova rodada de investimento, normalmente por investidores mais sofisticados (especialmente fundos de venture capital, no que se conhece como Series A). Então, isso nos abre pelo menos três opções: (a) o investidor quer seu dinheiro de volta; (b) o investidor quer manter o investimento; (c) o investidor quer acompanhar o investimento do venture capitalist (“VC”).

No primeiro caso, a recomendação mais favorável ao investidor é que o contrato de empréstimo conversível estipule que depois de determinado tempo, ou de acordo qualquer outra condição futura, a conversão seja obrigatória para as partes. Assim, mesmo que a startup não seja muito bem sucedida, o investidor se torna sócio (de uma empresa que não fez tanto sucesso assim, e que eventualmente pode ser extinta). Caso contrário, a startup – e eventualmente seus sócios, se foram garantidores do empréstimo – podem ser acionados pelo investidor na justiça para pagar o débito.

Mas se a startup se tornar a menina dos olhos do mercado, o investidor pode querer manter a participação, como sócio, que seria equivalente ao valor atualizado do empréstimo. Isso pode ser combinado de antemão no contrato, e depende do valuation da startup (difícil de ser estimado, como dito acima). Por exemplo, o investidor empresta uma quantia de R$ 50 mil em troca de 10% da empresa no futuro (o que, de antemão, significa que ele, quando emprestou o dinheiro, avaliou a startup como valendo R$ 500 mil no vencimento).

Fica a pergunta: esses 10% se referem à participação antes ou depois da entrada do VC, caso haja uma nova rodada de investimento Series A? Deixar isso bem claro no contrato vai evitar uma série de discussões futuras. E esse conflito é bastante comum em contratos que não foram bem redigidos – normalmente, tanto por inexperiência quanto por afobamento das partes envolvidas (para continuar, vamos simplesmente assumir que isso estava bem combinado, e tudo caminhando bem nas conversas com o VC).

Mas também essa percentagem pode ser decidida posteriormente, quando (e se) houver uma rodada Series A. Nesse caso, nos contratos mais bem amarrados de empréstimo conversível, podem aparecer duas cláusulas bastante comuns, regulando condições importantes e que são favoráveis ao investidor inicial.

A primeira é a chamada valuation cap. Por meio dela, o investidor anjo vai converter o valor do empréstimo segundo um valuation máximo da empresa. Usando o mesmo exemplo anterior, o investidor anjo vai emprestar os mesmos R$ 50 mil, mas vai fazer a conversão em capital por um valuation máximo de R$ 1 milhão (o que equivaleria a 5% da empresa). Mas o VC avaliou a startup em R$ 2 milhões. Se não houvesse essa cláusula, o investidor anjo converteria seu empréstimo segundo o mesmo valuation do Series A, ficando com apenas 2,5% da empresa.

Outra cláusula muito comum e que também é vantajosa para o anjo (afinal de contas, ele foi o primeiro a apostar no sucesso da startup) é o discount. Por meio dela, o investidor anjo ingressa na sociedade em condições mais favoráveis em relação ao valuation que está baseando o investimento do VC – uma taxa de desconto mesmo. Se estiver previsto um discount de 25% em relação à avaliação do valor da startup feita pelo venture capitalist, isto significará que o valor que foi emprestado pelo investidor anjo vai pagar as novas ações ou quotas da startup por um preço 25% menor do que o VC vai pagar por cada ação ou quota.

Mesmo tentando simplificar ao máximo, dá para perceber que essas questões não são exatamente fáceis, e exigem certo jogo de cintura com matemática financeira (tanto que eu não fiz muita menção ao problema do valuation pós ou pré diluição – fica para uma outra oportunidade). Por isso mesmo que é necessário ter a assessoria de profissionais que tenham condições de ajudar efetivamente o empreendedor e sua startup a encontrar um ponto de equilíbrio bem negociado, justo e adequado nessas questões societárias e financeiras.

Read More

Topics: investidor, Aceleratech, dicas para empreendedores, Investimento para startups, empreendedorismo, Posts Blog, investimento anjo, investimento

Como definir a remuneração dos sócios?

Posted by Caroline Piguin on Mar 27, 2014 4:42:39 PM

Sabemos que um empreendedor, principalmente no início de sua startup, vive de sonhos, riscos e apostas. Empreender ainda é uma escolha extremamente complexa no Brasil, mas cada vez mais vemos o ecossistema se desenvolvendo, e isso ajuda a diminuir o risco do empreendedor nos primeiros meses de sua caminhada.

Uma dúvida muito comum que vemos entre os empreendedores é como decidir o valor da remuneração do empreendedor e o valor ideal para reinvestir na empresa.O problema dessa questão é que ela não tem uma resposta simples e única.

A remuneração do empreendedor depende de diversos pontos e acordos entre sócios e com o investidor, e ainda não há um valor estipulado por estágio da empresa, por exemplo. Por isso, no post de hoje, vamos falar sobre como definir o seu salário, quanto pedir, quais itens levar em consideração, etc.

O primeiro grande ponto é entender como geralmente é composto um salário no mercado. Ele pode ser dividido em dois: Despesas e criação de patrimônio. A remuneração de uma empresa tem essa finalidade. Você precisa ser capaz, além de pagar suas despesas (supérfluas ou não) de construir o seu patrimônio. E essa última parte geralmente é responsável por 50% ou mais da composição de um salário. Agora que vem a grande diferença, no caso de um empreendedor, sua startup é o seu patrimônio, e por isso, a remuneração de seus fundadores tendem a ser muito mais enxuta, cobrindo apenas às necessidades das despesas.

Com esse conhecimento, a próxima etapa é entender o quanto você realmente precisa de remuneração.

Quanto sua empresa fatura por mês?
Caso a resposta seja: Nada, pense que este é o momento de investir em sua startup, e seu tempo agora é seu bem mais precioso. Não existe como você ganhar uma remuneração desde o momento de criação de sua startup, essa é a maneira mais simples de como você pode quebrar sua empresa.

Essa primeira questão é o ponto fundamental que você deve pensar antes de estipular um salário. Você pode querer ganhar R$5.000, mas se sua empresa fatura R$ 6.000, esse é um movimento que eu não recomendaria.

Você tem algum sócio?
Caso a resposta para esta pergunta seja sim, você deve somar a primeira questão à essa. Ora, o faturamento não pode ser dividido entre dois ou mais remunerações, e não é o seu faturamento que deve se ajustar a você, e sim, você, seu sócio e suas ambições salariais que devem se adaptar à realidade de sua startup.

É importante que você tenha uma reunião com seus sócios antes da definição de remunerações, e tenha em mente que seu sócio não necessariamente ganhará o mesmo que você caso a necessidade seja diferente. Essa não é a hora de render-se ao orgulho. Discuta o faturamento da sua startup, as necessidades e ambições específicas de cada um, deixe tudo em pratos limpos.

Como você vive?
Qual é o seu gasto mensal? Você tem esposa e filhos ou mora com seus pais? Quais são seus gastos fixos?

Entenda que, se você mora sozinho, ou com seus pais a sua necessidade de dinheiro é bem menor do que a de um pai ou mãe de família , certo? Definitivamente sua remuneração será também menor.

E se o responsável por minha remuneração for o meu investidor?
Que bom, você conseguiu investimento! Não estrague tudo pedindo, sem sentido, uma remuneração de R$10.000.

O investidor, em geral, prefere que o empreendedor não tenha que se preocupar com contas básicas do dia a dia e, com isso, em geral aprova uma remuneração razoável. Dessa forma, o empreendedor pode focar no negócio, sem distrações.

A lógica para justificaro valor de uma remuneração para um investidor é a mesma do que para um sócio: Qual o faturamento de sua startup x sua necessidade salarial?
Explique para seu investidor qual a sua necessidade mensal, e o porquê, e mostre qual seria seu rendimento em outra empresa, o que te faz investir X% de seu salário em sua startup.

Vocês já usam algum método para remuneração dos sócios em sua startup? Qual a conta que vocês usam?

Read More

Topics: investidor, dicas para empreendedores, empreendedorismo, sócios, Posts Blog, startups, Startup company, salário, startup, Negócios e Empreendedorismo, empreendedores, start up, remuneração, hot topics, empreendedor

10 dicas para conquistar um investidor-anjo para sua startup

Posted by Caroline Piguin on Mar 12, 2014 2:24:51 PM

São Paulo – Apesar do nome, um investidor-anjo não cai do céu. Os empreendedores precisam ter um pitch afiado, provar que sua ideia vale a pena e conquistar o investidor. Segundo dados da associação Anjos do Brasil, os investidores desta categoria aplicaram 25% a mais em 2013 na comparação com 2012. Em volume, foram 619 milhões de reais em investimento.

Read More

Topics: entrevista, investidor, dicas para empreendedores, Investimento para startups, empreendedorismo, Posts Blog, investimento anjo, startups, wiki4fit, investimento, startup, start up, hot topics

Investimento: o que fazer depois de uma reunião?

Posted by Caroline Piguin on Feb 20, 2014 5:20:15 PM

Aqui na Aceleratech costumamos orientar nossas startups aceleradas sobre como manter um contato saudável com investidores. Percebemos que existem dúvidas generalizadas quando o assunto é como continuar conversando com eles sem se tornar um mala. Decidimos criar um post sobre isso, finalizando nossa série sobre investimentos dessa semana.

Muitos empreendedores costumam subestimar a necessidade de fazer um contato com o investidor após as reuniões. É importante deixar claro que seu trabalho depois delas ainda não terminou. Está apenas começando.

É de bom tom mandar um e-mail de agradecimento pelo tempo, e se colocar à disposição para qualquer dúvida. Devido às agendas apertadas dos investidores, é comum que eles demorem um pouco para responder suas mensagens.Caso você não tenha ouvido nada em 15 dias, é importante ligar e ver se seu deck já foi analisado, e , caso sim, coletar feedbacks sobre os materiais e sobre o negócio.

Vemos que muitas vezes a startup não se encaixa na tese de investimentos de certos investidores, mas é comum também as empresas ainda não estarem em um estágio interessante para o investidor.

Se sua empresa faz parte do último caso, que bom! Vale criar um documento com os feedbacks recebidos (melhorar sempre!) e outro com os contatos dos investidores. Use esse mailing para informá-los sobre as principais conquistas de sua startups (break even, crescimento consistente, etc). Assim, você mostra sua evolução, o que te facilita na hora de marcar uma próxima conversa!

Importante: Tenha cuidado com os e-mails. Lotar a caixa do investidor também não é uma boa prática. Uma novidade a cada dois ou três meses (se tiver) é um bom tempo.

Você ainda tem dúvidas sobre como ter uma reunião incrível com investidores?
Achamos um infográfico da Draper University que conta como a mente de um investidor funciona. Na dúvida, vale imprimir e colocar na parede.

Qual é sua maior dificuldade na hora de falar com os investidores. Como vocês agem após as reuniões de investimento? Adoraríamos te ouvir!

Read More

Topics: investidor, dicas para empreendedores, Investimento para startups, relacionamento com investidores, empreendedorismo, Posts Blog, investimento anjo, startups, Startup company, investimento, startup, start up, hot topics

6 erros que você não pode cometer em uma reunião com investidores

Posted by Caroline Piguin on Feb 19, 2014 2:50:22 PM


Depois de se preparar para sua reunião com um possível investidor, é importante saber como agir no grande dia!
Não é apenas o pitch. Falar com investidores requer preparo e, principalmente, conhecimento de como funciona o seu raciocínio.

Read More

Topics: investidor, Investimento para startups, estratégia de investimento, Posts Blog, investimento anjo, Business, Small Business, reunião de investimento, investimento, hot topics

Como me preparar para uma reunião com investidores?

Posted by Caroline Piguin on Feb 18, 2014 11:05:15 AM

Grande parte das dúvidas que vemos aqui na Aceleratech são relativas à investimento: O melhor momento para buscá-lo, quanto devo estimar de investimento para minha startup, o que devo fazer antes de uma reunião com investidores, e por aí vai.

Decidimos, com algumas destas dúvidas, fazer uma sessão de 3 partes do que você deve fazer antes, durante e depois de uma reunião com investidores.

O primeiro ponto essencial é ter certeza que você precisa de investimento. Por mais que as vezes você pense que precisa, necessariamente, de mais dinheiro, mais pessoas e mais recursos para tocar seu projeto, analise como você está administrando seu caixa, e veja se seu crescimento já interessa os investidores. Caso ainda não, pense como você pode otimizar seu bootstrapping.

O segundo passo é entender quem investiria em seu negócio:

Programas Públicos de Incentivo: Com o crescimento do ecossistema empreendedor no país, surgiram programas que tem como objetivo fomentar a economia brasileira, dando suporte às startups por meio de apoio financeiro , mentorias e parcerias com aceleradoras do país. Os dois principais são:

Start Up Brasil: Programa do governo federal, oferece à empresas nascentes de base tecnológica um investimento de até R$200.000 e tem parcerias com aceleradoras no Brasil todo. As startups escolhidas ganham uma bolsa mensal, e participam de um processo de aceleração em uma das aceleradoras conveniadas.

Seed: é um programa do governo de Minas Gerais que tem como missão a consolidação do estado como um dos polos tecnológicos da América Latina. O programa oferece até R$80.000 de investimento e mentorias e contatos, o objetivo é que, no final de 6 meses , a equipe já tenha o seu produto desenvolvido.

Aceleradoras: As aceleradoras surgiram para ajudar os empreendedores a construírem e consolidarem suas startups, para que elas consigam, além de se manterem no mercado, lucrarem. Cada aceleradora tem um perfil de startups desejadas e um processo de aceleração diferentes, então vale pesquisar todas e entender qual o modelo mais se adequa à sua startup

Anjos: São pessoas investindo em empresas, as vezes sozinhos ou combinados. Geralmente eles se interessam por empresas em estágio inicial, mas raramente apenas com ideias. É importante lembrar que os investidores brasileiros são mais avessos a riscos, então buscam empresas que já tem certa tração, e que não seja um tiro no escuro. Geralmente participam do dia a dia da empresa e ajudam os empreendedores com dicas e acompanhamento dos negócios e estratégias. Podem se tornar grandes mentores.

Investidor Estratégico: São empresas atuantes em ramos similares ou complementares à startup que se associam não apenas com o dinheiro, mas com benefícios, servíços, recursos humanos e espaço físico.

Venture Capital: São empresas que investem em empresas mais avançadas, mas seu valor de investimento também costuma ser (consideravelmente) maior. Quando você vê as notícias de investimentos de 5 milhões em uma startup, provavelmente este veio de um VC. Geralmente são fundos, constituídos em cima de uma tese de investimentos. É nesta tese que a sua empresa se encaixa ou não. Uma forma de identificar como estes fundos pensam é olhar os seus portfólios e, muitas vezes, conversar com empresas já investidas.

Private Equity: Eles estão um nível acima dos investidores Venture Capital, e são os responsáveis por grandes fusões e aquisições.

Dica:
Não se afobe para conseguir um investimento. Procurar investidores antes de sua empresa chegar no estágio correto pode reduzir a sua chance de conseguir a melhor opção possível

Depois de decidir o tipo certo de investimento para sua startup, você tem que se preparar para apresentar seu negócio!

Em uma reunião com investidores, você deve apresentar seu deck de investimento para que ele se sinta mais seguro em relação à sua ideia, à sua startup, e à sua capacidade como empreendedor de realizar, liderar, e se comprometer com o negócio.

Um bom deck contém:

  • Nome
  • Estágio
  • Problema
  • Mercado
  • Solução
  • Equipe
  • Concorrência
  • Qual o valor de investimento
  • Projeções
  • Contato

Além de levar esse PPT, pergunte também se você terá que fazer seu pitch, caso você precise levar mais materiais.

Depois de todos os materiais prontos, vale pesquisar um pouco sobre com quem você vai conversar.

Uma reunião com investidores é bem parecida com uma entrevista de emprego de várias maneiras, mas a principal é que da mesma forma que as pessoas estudam as empresas para uma entrevista, você também deve estudar seu possível investidor, qual o tipo de empresas que ele gosta de investir, quanto ele costuma investir, etc.

Esperamos ter ajudado com essas dicas simples. Agora, mão na massa!

Read More

Topics: investidor anjo, investidor, dicas para empreendedores, Investimento para startups, empreendedorismo, Posts Blog, investimento anjo, Business, Start UP Brasil, investimento, Venture capital, start up, seed, Seed Minas Gerais, hot topics, bootstrapping, reunião com investidores

Coisas que você deve fazer antes de procurar um investidor

Posted by Pedro Waengertner on Jan 13, 2014 1:23:31 PM

Recebemos muitas startups aqui na Aceleratech e uma das perguntas mais frequentes que ouvimos é: “Quando é a hora de procurar um investidor?”. Em primeiro lugar, não existe uma resposta definitiva para esta questão, mas podemos arriscar alguns pontos.

Para começar, creio que podemos pensar em definitivamente quando NÃO é a hora de procurar um investidor:

  • Se a sua empresa ainda tem apenas um Powerpoint - Não vou dizer que é impossível, pois já vi alguns casos, mas é tão difícil que eu investiria este tempo em desenvolver o seu produto ou serviço;
  • Se você não investiu nada do seu bolso nesta idéia - o seu envolvimento é uma das coisas que o investidor vai olhar logo de cara. Se você não está comprometido com o negócio, certamente será muito dificil conseguir captar dinheiro.
  • Se você não estudou profundamente o seu mercado e negócio - Coisas como: “não tenho concorrentes” ou “é um mercado bilionário (mas sem o racional de como você chegou lá)” não podem ser ignoradas. Os investidores ouvem centenas de pitches e um profundo conhecimento do mercado de atuação da sua empresa é um requisito minimo.

Se você se encontra neste estágio super embrionário, o meu conselho é que vá a luta atrás de um bom produto, clientes, e que você realmente tente fazer a empresa avançar. Neste processo você deve aprender um bocado a respeito do seu negócio e de você mesmo.

Para responder a real pergunta ‘Quando é a hora de procurar um investidor?” entram algumas questões como qual o estágio de maturidade da sua empresa e o tipo de investidor que procura. Uma boa maneira de entender o que você precisa é classificar sua startup por estágios de crescimento, são eles:

  • Estágio inicial - Você tem um protótipo no ar e está buscando clientes, ou já tem alguma receita.. Este estágio é bastante inicial e você pode buscar tanto uma aceleradora quanto um investidor anjo. Caso você opte por uma aceleradora, certifique-se que ela consegue aportar o que você precisa para crescer. Veja que o mais importante neste estágio não é o dinheiro, pois você não tem clareza de onde vai investir. Apenas ter uma linha dizendo “marketing” na sua planilha, ou dizer que vai aumentar a equipe de desenvolvimento não é o bastante. Você precisa de apoio para colocar a máquina de vendas da sua empresa para funcionar, e gerar crescimento constante. Algumas aceleradoras podem apoiá-lo nisso, além de conecá-lo com outras pessoas relevantes do mercado. O investidor anjo, neste estágio, deve ser alguem que você confie e conheça e, acima de tudo, que também consiga aportar este tipo de ajuda. E repito: neste estágio o mais importante não é dinheiro.
  • Estágio de crescimento - Você já tem um [ótimo] produto com receita relevante e agora precisa levá-lo para outro nível. O mais importante é você ter um bom produto e conhecer profundamente seus números de aquisição/distribuição. Ou seja, você sabe onde aplicar o dinheiro recebido do investidor para crescer, seja na distriuição através de midia paga (você conhece o seu CPA? E o seu CPV?), seja através de parceiros ou até mesmo com vendedores físicos. Neste caso, você deve procurar um fundo de investimento. Existem bons fundos hoje no Brasil que vão adorar conhecer o seu negócio, caso as premissas que falei sejam verdadeiras.

Nem vou falar de estágios mais avançados, pois a probabilidade é que, se você se encontra depois dos níveis mencionados aqui (já tendo sido investida por um fundo), e está indo bem, é provável que os fundos estejam procurando você.

Em ambas abordagens, não é apenas com uma reunião que você vai resolver o investimento. É necessário estudar o fundo, quais as teses de investimento, outras empresas já investidas (uma boa dica é conversar com elas). Além disso, é importante entender que você terá que (provavelmente) falar com uma série de fundos ou investidores-anjo antes de fechar com aquele que será o seu parceiro. E uma vez casando, o trabalho está apenas começando, aquela tese inicial ainda tem que se comprovar...

Read More

Topics: investidor, dicas para empreendedores, Investimento para startups, empreendedorismo, Posts Blog, Small Business, investimento, Negócios e Empreendedorismo, hot topics

CargoBR recebe aporte de investidores Gávea Angels e investidor estrangeiro

Posted by Caroline Piguin on Nov 21, 2013 7:24:51 PM

A CARGOBR, site fundado em 2011 pelos empreendedores Rodrigo Palos e Ricardo Iguchi que une transportadoras e clientes embarcadores de cargas, anuncia que acaba de receber, com o apoio da Aceleratech seu primeiro aporte.

O investimento em participação é proveniente de dois investidores associados da Gávea Angels, hoje o maior e o principal grupo de investidores-anjo do Brasil, em co-investimento com um investidor-anjo norte-americano, da rede de contatos da Aceleratech.

A empresa que tem foco na contratação de fretes e já atua em mais de 3.000 cidades brasileiras, com esse investimento anjo, se consolida como um dos grandes players no segmento de logística rodoviária alavancado pela Internet.

Os recursos obtidos serão utilizados pela empresa para expandir sua gama de serviços destinados aos pequenos, médios e, principalmente, grandes embarcadores de cargas. Ademais, permitirá dar continuidade à expansão de sua equipe operacional, comercial e de programação, assim como incrementar seu foco no desenvolvimento de sua capacidade logística e em ações de marketing.

“Atualmente atendemos mais de 200 transportadoras e embarcadores de cargas com a melhor ferramenta para cotação de fretes. Oferecemos preços altamente competitivos e disponibilizamos uma solução inovadora para resolver o apagão logístico que hoje o País está passando”, assinala Rodrigo Palos, CEO da CARGOBR.

“Nossa trajetória de sucesso nos encorajou a alçarmos voos mais altos. Temos na Aceleratech um parceiro estratégico que nos ajudou a redirecionar nosso modelo de negócio desde que ingressamos no primeiro programa de aceleração realizado por eles no campus da ESPM. Essa união foi essencial na aproximação com investidores, como os associados da Gávea Angels, que nos possibilitará, a partir de agora, com esse aporte, consolidar nosso segundo produto, destinado a maiores embarcadores que precisam de maior detalhamento e transparência em todo seu processo de cotação”, completa.

Antonio Botelho PhD, Presidente do Conselho Diretor da Gávea Angels, explica que a decisão de investir na empresa começou quando perceberam que possuía um modelo de negócios sólido e adaptado ao mercado brasileiro. “Muitos empreendedores realizam projetos muito frágeis do ponto de vista do crescimento. É necessário avaliar as diversas oportunidades que podem estar ao lado deles. No caso da CARGO.BR, enxergamos grande potencial na empresa e no setor por conta da deficiência logística do Brasil. Quando fomos apresentados ao Rodrigo, ao Ricardo e ao seu time, logo vimos que o conhecimento local garantiria uma vantagem sobre seus concorrentes", afirma Botelho.

A Gávea Angels já investiu também em proeminentes empresas de Internet do Brasil, como a Já Comparou, portal pioneiro no Brasil que oferece um sistema de busca e comparação instantânea de preços voltado para o mercado de Telecom, e a EasyFood, empresa focada em soluções inovadoras para a educação alimentar e a otimização de estabelecimentos de consumo em ambiente escolar, e a Descomplica, pioneira líder no mercado de vídeo aulas para preparaçào para o ENEM e vestibular e o ensino médio em geral.

Aceleratech auxilia na captação de investimentos

Além do trabalho de mentoria completa que realiza em parceria com a ESPM com duração de 16 semanas e mais 3 meses de incubação, a Aceleratech também busca dentro da sua ampla rede de relacionamentos aproximar startups e investidores. E com a CARGOBR não foi diferente.

“Enxergamos no universo B2B grandes oportunidades de negócio escaláveis e o caso da CARGOBR é exemplo disso. O setor de logística rodoviária é um enorme gargalo dentro do nosso País e por isso a empresa tem um enorme potencial. Este investimento é apenas o primeiro passo para conquistas ainda maiores”, finaliza Mike Ajnsztajn, um dos fundadores da Aceleratech.

O fato de investidores associados à Gávea Angels já terem realizado no passado investimento conjunto com sócios da Acceleratech na empresa JáComparou, facilitou a aproximação das duas organizações pela confiança mútua previamente estabelecida e conhecimento das respectivas culturas operacionais.
Sobre a CARGOBR
Criada em 2011, a CARGOBR integra a primeira turma de startups do programa de aceleração realizado pela Aceleratech em parceria com a ESPM. A empresa foi fundada pelos empreendedores Rodrigo Palos e Ricardo Igushi. Inspirados pelas dificuldades logísticas do transporte rodoviário identificadas no País, os sócios resolveram criar a uma plataforma B2B de intermediação de compra e venda de fretes que busca facilitar e agilizar a relação entre transportadores e clientes embarcadores de cargas. Em junho de 2013, a empresa conquistou a terceira colocação no Demo Day, evento que marcou o fim da primeira turma de startups aceleradas.

Sobre a Aceleratech
Fundada em 2012 por Mike Ajnsztajn e Pedro Waengertner, a Aceleratech (www.aceleratech.com.br) é uma aceleradora que associa investimento anjo com um programa de mentoring realizado em parceria com a ESPM. Uma das escolhidas para participar do programa Start-UP Brasil, a empresa possui um programa de aceleração com duração de 16 semanas e conta com 3 meses de incubação após esse período, quando as empresas continuam trabalhando na evolução de seus modelos de negócios, especialmente focando em vendas.

O programa da Aceleratech é dividido em módulos e inclui aulas e workshops focados em temas como modelo de negócios, finanças, desenvolvimento de produtos e marketing. Além disso, a empresa também realiza a prospecção de investimentos para as startups selecionadas com o objetivo de entregar de volta ao ecossistema empresas mais preparadas para o ingresso em seus mercados de atuação.

Read More

Topics: investidor, Aceleratech, aporte, empreendedorismo, gavea angels, Posts Blog, investimento, CargoBR, imprensa, hot topics

Subscribe to Email Updates

Recent Posts

Posts by Topic

see all

Follow Me